Decisões: A Regra da Vida- Capítulo 29.(Penúltimo Capítulo)


Capítulo 29:

Cena 1: Mansão Riccari// Sala// Interior// Noite//
Bárbara, Mauricio e Isabela entram felizes ao cômodo. Eles tentam acender as luzes, mas não conseguem.
Bárbara: O que está acontecendo?
Mauricio: Eu não sei, a chave deve ter caído, mas não deveria ter acontecido isso, ela é nova.
Mauricio acende a lanterna do celular e vai até a caixinha, ele fica surpreso ao ver uma mão mexendo na caixinha.
Mauricio- {grita/desesperado}: Saiam pra fora agora.
Bárbara e Isabela vão sair, as luzes se acendem. As duas e Mauricio ficam trêmulos com o que vêm.
Isabela- {desacreditada/ecoa}: Papai?!
Fade-in- A Thousand Years- {Christina Perri}
Renato- {olhos marejados}: Minha princesa.
A câmera fica lenta, as lágrimas percorrem pelo rosto de Isabela. A emoção invade a menina e seu pai. Os dois se olham fixamente e chorosos. Isabela leva um choque de realidade, os pequenos fios de cabelos dos seus braços se arrepiam, seu coração acelera fortemente, batidas cardíacas se alastram pela cena. Isabela corre e abraça seu pai. Bárbara e Mauricio ficam emocionados, porém estão incrédulos ao ver Renato vivo. A velocidade da câmera volta ao normal.
Isabela- {desesperadamente/chora/lentamente}: Papai... Papai o senhor está vivo.
Renato- {chorando/feliz}: Estou, minha filhinha.
Isabela e seu pai dividem um momento único e a menina fica agarrada ao pai desesperadamente. Aquele abraço perdura por mais alguns segundos e aos prantos.
Isabela- {aliviada/chora}: Ainda bem que eu não te perdi, papai. Eu pensei que eu tinha perdido a pessoa que eu mais amo na minha vida.
Renato segura as mãos de Isabela, eles se olham emocionados. Bárbara vai até Renato, abraça e beija o homem desesperadamente.
Bárbara- {feliz/olhos marejados}: Que saudades de você, meu amor!
Mauricio dá um abraço em Renato, que olha o menino muito satisfeito.
Fade-out- A Thousand Years- {Christina Perri}
Renato- {agradecido}: Vi você fazendo um trabalho maravilhoso, Mauricio. Eu nunca vou esquecer o que você fez pela minha filha.
Isabela- {espantada}: O senhor estava nos vigiando?
Renato: Claro que sim, filha. Estão achando que eu deixaria alguma coisa ruim acontecer? Eu vi todo o seu sofrimento, mas eu tive que ficar afastado até encontrar provas concretas de quem fez isso comigo.
Bárbara: E você sabe quem fez isso com você?
Renato: Há uma semana atrás eu fui à polícia e hoje eles acharam uma complicação no meu caso, mas hoje vão tirar a limpo o que está acontecendo.
Isabela: Do que o senhor estava falando?
Renato: Lembra do Nicolas?
Mauricio- {chocado}: Aquele menino da cadeira de rodas?
Renato: Sim. -{T}- O Nicolas era meu cúmplice, por isso ele estava escondendo tudo de vocês. Eu quero apresentar todas as provas juntas.
Isabela, Mauricio e bárbara ficam chocados com a revelação.
Bárbara- {confusa}: Mas o que o Nicolas tem a ver com o que te aconteceu?
Renato- {receoso}: Você vai saber de tudo, Bárbara.

Cena 2: Fundação casa// Corredor// Interior// Noite//
Monalisa e Leandro estão conversando sentados em um banco.
Monalisa: Filho, nós precisamos que você seja sincero, se eles pegarem seus amigos, vão ver o quanto você é uma boa pessoa.
Leandro: Eu e a Rebeca combinamos algo e temos um plano para amanhã.
Monalisa assusta-se com a presença de alguns policiais e o delegado, eles vão até Leandro.
Delegado: Você que é o Leandro?
Leandro: Sim.
Monalisa- {com medo}: O que está acontecendo, delegado? Meu filho fez alguma coisa?
Delegado: É o que queremos saber!
O delegado chama um policial, que entrega a arma para ele. O delegado mostra o objeto ao menino, que se assusta.
Flashback:
Leandro chega ao fim do beco e encontra Beatriz novamente. Ele entrega o objeto enrolado em um pano para Beatriz, que olha para aquilo e fica sorridente. Beatriz beija Leandro.
Beatriz- {muito feliz}: Obrigada, meu amor. Que corajoso você é!
Beatriz percebe que não tem ninguém e ela segura a arma, mas sem encostar. Ela olha para o objeto e a câmera fica lenta, o seu olhar e sorriso diabólico e marcado.
Fim do flashback.
Delegado: Um homem foi morto com essa arma, e como você estava já detido nesse lugar, não levamos em consideração de que você seja o culpado. Achamos as suas digitais nela e queremos saber pra quem você deu essa arma?
Monalisa- {horrorizada}: Filho, você está envolvido nesse crime?
Leandro- {P/ o delegado}: Beatriz D’ Àvilla, senhor delegado.
Delegado- {intrigado}: Você pode nos explicar por que a sua digital está nessa arma?
Flashback:
Beatriz: Sim, eu aceito namorar com você. –{O menino vai beijar e ela interrompe}- Mas antes de oficializarmos isso, eu preciso que você me faça um favor enorme.
Leandro- {feliz}: Que favor? Pode falar.
Beatriz: Eu preciso que você desça na favela e pegue algo para mim!
O semblante de Leandro muda e ele fica surpreso com o que Beatriz diz.
Beatriz: Eu preciso que você compre uma arma para mim!
Leandro- {chocado}: O quê? Uma arma? Mas pra quê?
Beatriz: Nossa pra que tantas perguntas? Não deixa nem eu te explicar.
Leandro- {amedrontado}: Beatriz, eu não sei se eu posso fazer isso.
Beatriz: Você precisa me ajudar, Leandro. O meu pai está correndo perigo. Tem um cara que prometeu matar ele e eu tenho medo desse homem matá-lo. Com uma arma ele pode andar protegido. Eu já mandei ele comprar uma, só que ele não quer e eu quero presentear ele com uma, só não tinha coragem de descer lá na favela para comprar.
Leandro: Beatriz, uma arma?
Beatriz- {cínica}: Você quer que eu deixe o meu pai morrer sem pelo menos se defender?
Fim do flashback.
Leandro: Foi por isso.
Monalisa- {amedrontada}: Filho, como você pôde ser tão inocente a esse ponto? Ninguém compra uma arma assim para essas coisas. O pai dessa Beatriz é rico, você não vê o homem passando no jornal? Você acha mesmo que eles precisam de armas para se defenderem?
Delegado: Foi só isso mesmo que aconteceu, Leandro? Você não sabe de mais nada sobre essa menina?
Leandro- {rancoroso}: Sei, que ela é uma mau-caráter, uma desgraçada dos infernos, porque a Beatriz me usou.
Delegado: Muito obrigado, Leandro.

Cena 3: Praça// Noite//
Nicolas fica receoso de contar para Jasmín toda a verdade.
Nicolas: Olha, Jasmín, eu não vou esconder a verdade de você.
Jasmín- {intrigada}: Do que é que você está falando?
Flashback:
Beatriz e Nicolas estão na rua discutindo. Renato observa tudo escondido atrás de uma árvore.
Nicolas: Você não tem por onde escapar.
Beatriz: Eu estou cansada, Nicolas, eu não vou empurrar mais essa merda de cadeira de rodas na rua.
Nicolas: Você vai empurrar onde eu quiser.
Beatriz sai, furiosa. Ao ver que a menina desapareceu, Renato vai até Nicolas, que fica assustado.
Nicolas- {chocado}: Vo... Você não é o pai da Isabela? Você está morto!
Renato: Eu preciso da sua ajuda, por favor.
Nicolas: Do que você precisa?
Fim do flashback.
Nicolas: Eu não escondi nada disso por maldade, eu fiz porque ele me pediu para ficar calado.
Jasmín- {surpresa}: Então quer dizer que o pai da Isabela está vivo?
Nicolas: Sim, ele deve estar nesse momento na casa dela!
Jasmín: Nicolas, por que você não me contou isso?
Nicolas: Você iria contar à Isabela e ia estragar o plano dele. Você já pensou se ela dá uma neura e vai contar tudo pra Beatriz? –{T}- Por que você acha que eu fingi toda essa história?

Cena 4: Parque Ibirapuera// Noite//
Os pais da Natiely seguram as mãos dela.
Fidelis: Nós queremos a oportunidade de fazer as coisas diferentes. Dessa vez nós estamos falando a verdade.
Natália: Filha, estamos te apoiando de verdade. Você vão vê que estamos tendo paciência com esse processo?
Natiely- {preocupada}: Amanhã o juiz vai dar a sentença.
Fidelis: Sim, mas seja qual for, nós vamos estar unidos, não vamos te abandonar.
Natália- {implora}: Você tem que confiar em nós, Natiely, dessa vez as nossas intenções são verdadeiras.
Natiely- {olhos lacrimejados}: Eu cresci vendo todas as minhas amigas sendo levadas pelos pais à escola. Onde vocês estavam? Sabe que tipo de dor é essa? A dor da rejeição. É como eu me sinto em relação a vocês. –{T}- Eu morria de inveja das minhas amigas por causa disso. Poxa, eu nunca tive uma mãe e um pai presente. Dia dos pais, nem se fala, e o dia das mães? Pior ainda. Eu tive um dia das mães e dois dias dos pais com vocês, durante 14 anos. –{Gemendo}- E as minhas amigas, meus amigos saiam com os pais e as mães para almoçar. E eu ficava como? Minutos falando com vocês no telefone! –{Firme}- É esse tipo de mudança que vocês vão fazer? Porque eu não queria entregar cartãozinho de dia das mães para a empregada não! Eu não queria uma empregada nas minhas reuniões, mas ela sempre estava lá! –Inconformada/grita}}- Onde é que vocês estavam? –{Fidelis e Natália chorando arrependidos}- E quando eu ia para uma festinha de uma amiga? Pra quem mesmo eu pedia? Ah, pra empregada, é claro. –{Fria}- Vocês têm que sentir muito mesmo, vocês são pais que de fato ninguém queria ter!
Natália- {ofendida/agoniada}: Filha, não fala isso!
Fidelis: Nós já dissemos que vamos fazer as coisas diferentes.
Natiely: Eu perdôo vocês.
Natália e Fidelis sorriem, mas choram de felicidade. Eles abraçam a filha e os três choram juntos. Dividindo aquele momento.
Natiely: Eu preciso comer alguma coisa. Eu vou comprar um sorvete.
Natiely avista um quiosque e vai até o local. Ela pede o sorvete e olha para os lados. Natiely fica chocada ao ver Megan e Henry se beijando. A menina começa a chorar e sai correndo ao encontro de seus pais.
Natiely- {chorando}: Vamos embora.
Natália- {preocupada}: O que aconteceu, filha?
Natiely: Só vamos embora, por favor.
Natiely vai embora, seus pais vão atrás dela, confusos.

Cena 5: Mansão Riccari// Sala// Interior// Noite//
Bárbara- {inconformada}: Eu exijo saber o que está acontecendo, Renato. Por que você não quer me contar?
Renato: Eu estou exausto com toda essa emoção. Eu prometo que vocês vão saber de tudo amanhã. A polícia vai me dar uma resposta e eu preciso entregar provas.
Bárbara- {confusa}: Eu não estou entendendo porque todo esse mistério.
Renato: Digamos que vai ser uma surpresa para vocês sobre quem fez isso!
O coração de Bárbara acelera. A mulher fica apavorada com as possibilidades que vêm à sua mente.
Bárbara: Pelo amor de Deus, Renato. Não me diga que a Beatriz está envolvida nisso.
Flashback:
Isabela se joga em cima do caixão do seu pai e chora compulsivamente. A menina olha para a porta e vê Beatriz. O choro de Isabela é contido e ela olha fixamente para a inimiga.
Isabela- {grita}: Foi você... Sua desgraçada, foi você!
Bárbara fica horrorizada ao ouvir a acusação de Isabela.
Fim do flashback.
Renato abraça Bárbara, que fica surpresa.
Renato: Fique tranquila.
Mauricio e Isabela olham para Renato, eles ficam tensos.
Bárbara- {desesperada}: Eu vou atrás da minha filha, se você não me contar o que está acontecendo, eu vou ir até a casa da amiga dela.
Renato: Bárbara, se acalma. Você não pode sair da mansão, tem policiais do lado de fora e eles não permitem que ninguém saia. As linhas telefônicas estão grampeadas, seu celular e tudo. Não tente fazer nada, porque senão os policiais levam você e quem quer que seja para a prisão.
Bárbara fica chocada.



Cena 6: Amanhece. Colégio Nivelar// Diretoria// Interior//
Mariana entra à sala de Cristina e vê que está vazia. A menina alguma coisa em gavetas. Mariana fica chocada ao ver uma pasta com vários diários que Cristina já trocou e lá ela encontra o que tinha sua nota real, que foi modificada por Cristina.
Mariana: Desgraçada! Ela vai me pagar.
Mariana vê um envelope e decide abrir. Ela vê fotos de homens que são professores e já trabalharam na escola. A menina pega tudo e coloca na sua bolsa. Mariana passeia pela sala e vê um armário. Ela vê um objeto de pendurar chaves e vai testando, até que ela consegue abrir o armário. Mariana vê uma pasta dentro do local. Ela vê a foto de 3 alunas beijando professores e as fotos estão riscadas com canetão. Mariana fica chocada e assusta-se com uma mensagem que chega no seu celular.
Mariana- {lendo}: Pronto, ela já está indo.
Mariana responde um “ok” para Eriberto e coloca seu celular no silencioso para não incomodar ela. A jovem coloca àquela pasta na bolsa, fecha o armário e procura um lugar, encontrando uma caixa plástica mais escondida e coloca seu celular em uma visão que dá pra ver a mesa de Cristina. Mariana dá um play no gravador de vídeo.
Mariana: Pronto.
Cristina chega à sala de Mariana e se surpreende ao ver a menina.
Cristina- {grossa}: O que você está fazendo aqui, sua maldita.
Mariana: Uai, eu não posso vir à sala da diretora mais não?
Cristina: Eu sei bem pra que você veio aqui. Para falar do professorzinho gostoso, não é? Você não sabe como ele é uma delícia, Mariana.
Mariana- {chocada}: Você é uma baixa mesmo, né? Como a senhora tem coragem de falar assim com uma aluna?
Cristina: Por favor, não sejamos hipócritas.
Mariana: Olha, o seu caso com o professor é coisa de vocês, isso pouco me importa. Eu só quero saber se eu posso sair mais cedo hoje. Eu tenho um bilhete da minha mãe.
Cristina- {debocha}: Vai pra onde? Correr atrás do Eriberto?
Mariana: Você vai me pagar muito caro por ter trocado minhas notas e por ter tentado me matar aquele dia.
Cristina: É a vida, Mariana, vocês me subestimaram e achavam que eu iria ficar quieta? Mas agora quem saiu por cima foi eu, porque eu estou com ele.
Mariana: E ele está com você porque você é uma chantagista.
Cristina: Me dá o bilhete da sua mãe para eu ler.
Cristina escuta alguém bater a porta e sai para o lado de fora. Mariana aproveita e tira o celular e para a gravação. Cristina volta para a sala e lê o bilhete da mãe de Mariana.
A imagem escurece e vai clareando lentamente.

Cena 7: Colégio Nivelar// Corredor// Interior// Manhã//
Mariana vai até Eriberto e eles estão sozinhos no local.
Mariana: Eu consegui, eu peguei um monte de provas da diretora na sala dela também.
Eriberto- {curioso}: Provas? Mas que tipo de provas?
Mariana: Eriberto, essa mulher é muito pior do que nós imaginávamos. Ela vai querer me matar!
Eriberto- {preocupado}: Me mostra logo o que você achou?
Mariana tira os itens da bolsa e mostra para Eriberto, eles olham atentamente para os documentos. A câmera desfoca no casal e foca na diretora que estava indo pelo corredor. A mulher consegue voltar sem ser vista e se esconde. Cristina fica chocada ao ver seus documentos nas mãos de Mariana. A câmera foca novamente no casal.
Mariana: Ela não vai escapar. Eu vou mostrar isso tudo à polícia.
Mariana guarda os documentos na bolsa novamente.
Eriberto: Eu estou ficando com medo.
Mariana: Não fique. Eu vou guardar essas coisas sem que ninguém desconfie, senão aquela louca vai me matar de vez.
Cristina espera um pouco e vai até Mariane e Eriberto. Eles ficam assustados.
Cristina: Mariana, a sua mãe acabou de me ligar e pediu para eu te levar.
Mariana: Mas o médico não está marcado pra mais tarde?
Cristina: Estava, ela disse que o médico vai sair mais cedo hoje e quer te atender daqui meia hora.
Mariana: Estranho.
Cristina: Vamos porque eu ainda tenho que passar na casa da minha tia, tenho que pegar um negócio com ela.
Mariana e Cristina vão.

Cena 8: Fundação casa// Quarto de Leandro e seus amigos// Interior// Manhã//
Leandro, Lucas, Rebeca, a inspetora e três carcereiros estão no local. As autoridades se escondem no banheiro, deixando apenas Lucas e Leandro.
Leandro: Vamos chamar eles ou esperamos eles chegarem?
Lucas: Vamos.
Antes que eles possam dar um passo, Luis, Pedro e Gabriel chegam.
Luis- {debochado}: Colé, bichinhas!
Pedro: Estão se pegando? As duas não param de andar juntas.
Gabriel- {sorri}: Acho que as duas querem trepar e depois dar uma cheirada.
Luis olha se tem alguém vindo pelo corredor, visto que não tem, ele tira pedras da bolsa e dá seus amigos.
Luis- {P/ Leandro e Lucas}: Vocês têm certeza que não querem?
Leandro: Cara, nós vamos cheirar pra quê? Pra vocês colocarem a culpa em nós de novo?
Pedro: Você não tá achando que nois vai ficar preso lá não, né?
Gabriel: Vocês não quer curtir, então deixa nois aqui.
Lucas: Vocês não vão escapar da próxima vez. O Leandro tem medo de vocês, mas eu não tenho.
Pedro fecha a porta e eles tiram canivete e mostram para Lucas.
Gabriel- {provoca}: Vai encara? Então vem, porra!
Os carcereiros saem do banheiro apontando arma para os adolescentes infratores. A psicóloga e a inspetora saem.
Psicóloga: Eu não disse que o Leandro e o Lucas eram inocentes?
Pedro, Luis e Gabriel ficam tensos.

Cena 9: Fórum// Sala de Julgamento// Interior// Manhã//
Natália, Fidelis, Natiely e o advogado entram. Megan e sua mãe estão no local com o advogado. Natiely e Megan olham-se fixamente. A câmera fica lenta, focando na presença do juiz, que deixa todos tensos. A câmera foca no olhar de cada um. A câmera mostra Natiely por inteiro e vai se aproximando até chegar ao rosto tenso. A velocidade volta ao normal. O juiz senta-se e olha para todos. O júri se posiciona.
Juiz: Bom dia a todos. Hoje eu vou ser o mais direto possível e gostaria que não houvesse enrolação. O júri vai dar a sentença após a apuração de provas, tanto da reclamada, quanto da reclamante.
Advogado de Natiely- {levanta-se}: Meritíssimo, gostaria de apresentar ao júri esse diagnóstico da psicóloga Rebeca Valadares, a melhor psicóloga de São Paulo e uma das melhores do Brasil.
Advogado de Megan: Eu protesto, meritíssimo.
Juiz: Protesto negado, senhor advogado. Ele está aqui para proteger a sua cliente. Essa e qualquer outra prova que seja cabível ou não, deve ser apresentada e aceita.
Megan e sua mãe ficam furiosas. Natiely e seus pais ficam muito confiantes.
O júri passa uma vista grossa nos papéis, deixando todos ansiosos. Natiely e Megan se olham.
Advogado de Natiely: Meritíssimo, como consta nesse diagnóstico, a minha cliente cometeu esse crime sim, mas sabemos que ele não tem um grau tão elevado quanto à morte de uma pessoa, nós não vemos aqui uma adolescente que seja capaz de cometer um ato tão rigoroso como esses, nós vemos aqui uma pessoa que está com uma doença mental e precisa ser tratada. Juntamente da ajuda dos pais, ela terá um acompanhamento psiquiátrico e dará resultados de toda e qualquer consulta que for feita com o profissional.
O juiz e os jurados olham fixamente para o advogado de Natiely, que olha para seus clientes. Natiely, Natália e Fidelis estão tensos.

Cena 10: Mansão Riccari// Sala// Interior// Manhã//
Beatriz entra ao local, ela vai até sua mãe.
Beatriz- {intrigada}: Mãe, por que tem esse monte de policiais lá fora?
Isabela desce as escadas e está muito arrumada.
Isabela- {falsa}: Oi, amiga. O que achou do meu look?
Beatriz: Que bom que vai sair, assim eu e minha mãe ficamos mais à sós.
Isabela: Esse look é especial para a sua queda.
Beatriz- {intrigada}: Queda? Mas que queda?
A câmera fica lenta, Renato sai detrás da escada. O rosto de Beatriz vai de séria para espantada.

A câmera se divide em duas partes, no rosto triunfante de Renato e no rosto derrotado de Beatriz. A imagem fica preta e branca, fixando-se em um quadro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário