Pobre Chique - Capítulo 2


Pobre Chique | Segundo Capítulo


Continuação Do Capítulo Anterior…


LETREIRO: RIO DE JANEIRO.


CENA 01. MORRO AZUL- CASA DE TADEU [INT./DIA]


Sonoplastia MADAGASCAR- EMICIDA.


Sol forte de manhãzinha. Visão aérea das casas do Morro Azul. Pessoas estendendo roupas na lajem, sapatos amarrados nos fios dos postes, vãs e mototaxis subindo e descendo. Tadeu encontra-se dormindo. A casa está uma zona. O alarme toca, ele cai da cama.


= = CORTE DESCONTÍNUO = =


Tadeu, já arrumado para o trabalho, lendo as correspondências. Desânimo. Joga as cartas para o lado. Avista seu gato de estimação,pega-o.


TADEU- É Biscoito. Parece que o caminho rumo à fama é maior que a escadaria da penha. E eu sinto que ainda falta muito até eu chegar no último degrau.


Tadeu suspira. Olha para seu violão.


CENA 02. PÃO DE AÇÚCAR- CRISTO REDENTOR [EXT./DIA].


RODRIGO se encontra vestido com roupas de esporte, pronto para pular de bung jump.


INSTRUTOR- Você está ciente que quer fazer isso?
RODRIGO- (Ajeita o capacete) Totalmente. Quero tirar o estresse dessas viagens, dessa turnê. Estar com as energias renovadas para o show de hoje a noite.
INSTRUTOR- Você que sabe. Eu só queria dizer que/


Rodrigo grita, toma distância, corre a salta.


INSTRUTOR- (Suspira/Completa) Tenha muito cuidado.


No ar, Rodrigo grita e ri, enquanto a câmera que estava em seu capacete grava tudo.

CENA 03. APÊ DE LUCAS [INT./DIA].


SARA- Eu não acredito que você compactuou com a sua irmã, Lucas. Passou por cima das minhas ordens, quando eu disse que não queria a Bela aqui!
LUCAS- Mas mãe, a senhora não pode simplesmente me impedir de ver a minha irmã, ou apagá-la da sua vida.
SARA- É, mas eu apaguei. Desde o dia que eu descobri ela no calçadão, se prostituindo! Ela não tinha tudo aqui dentro, mas o essencial não faltava.
LUCAS- Ela se arrependeu!
SARA- Mas continua fazendo programas!
LUCAS- Ela está tentando mudar de vida, não é a toa que veio me pedir ajuda.
SARA- Ah, claro! Violar o sistema de um site é querer mudar de vida. Eu devia era te dar uma surra, moleque! Vocês podem ser presos! Presos!
LUCAS- Mas/
SARA- Mas nada! Você está terminantemente proibido de ver a Bela, entendeu? Sabe o que significa terminantemente?


Sara bate a porta e sai. Lucas se joga no sofá e cruza os braços.


LUCAS- Que saco!

CENA 04. MANSÃO BETTER- QUARTO DE DOMINIQUE [INT./DIA]


Dominique, ainda de camisola, ri, olhando para a tela do celular. LUQUE se encontra sentado na cama.


DOMINIQUE- Ai, ai… O Rodrigo é realmente demais. O show dele ontem foi incrível.
LUQUE- Rico e esnobe que só ele.
DOMINIQUE- Rico, esnobe e considerado o homem mais sexy do Brasil, segundo o The New Yorc Times, repercutiu muito em Nova Yorc.
LUQUE- E sabe o que também repercutiu aqui e lá? Vê só!


Luque entrega a Domique uma revista, da qual ela é a capa.


LUQUE- Dominique Better, a New Face e It-girl mais bonita do Brasil.
DOMINIQUE- Ai, deixa eu ver!


Dominique pega a revista.


DOMINIQUE- (Feliz) Tudo indo de vento em poupa! Agora só falta a Divus ganhar esse concurso e irmos rumo ao Victoria Secrets!


Luque bate palmas. BRANCA, mãe de Dominique, abre a porta.


BRANCA- Filha.
DOMINIQUE- Sim?
BRANCA- Visita para você. É um rapaz.


Dominique sorri e morde os lábios.


DOMINIQUE- Deve ser o Rodrigo!


Dominique sai correndo.


BRANCA- Espera aí, garota! Põe uma roupa!


= = CORTE DESCONTÍNUO = =


Dominique está descendo as escadas, animada.


DOMINIQUE- Rodrigo, eu sabia que você vinha!


Mas o sorriso é apagado, quando ela avista Tadeu, todo sorridente.


DOMINIQUE- (Revira os olhos) Ah, não. Quem te deixou entrar? Eu vou proibir a sua entrada aqui dentro!
TADEU- (Nervosa) A sua mãe, ela… Ela pediu um café da manhã e…
DOMINIQUE- Não importa! Eu não quero saber, só sai daqui!
TADEU- Eu estava passando por uma floricultura e…


Tadeu abre a mochila e retira uma rosa de dentro. Estende-a á Dominique.


TADEU- Achei que combinava com você.


Dominique sorri e pega a rosa.


DOMINIQUE- Jura? Eu vou pôr no alvejante nessas drogas de rosas baratas. Você achou mesmo…


Dominique amassa a rosa com ódio, com toda força.


DOMINIQUE- Que uma rosa de um real, comprada em qualquer floricultura de quinta ia me deixar feliz! Olha o que eu faço com a sua rosa!


Dominique amassa ainda mais a rosa.


DOMINIQUE- Guarda o teu dinheiro para a sua aposentadoria, que é isso que todo o pobre faz, né? Espera na fila no SUS algum benefício. Pega essa tua rosa e some daqui!


Dominique joga a rosa no rosto de Tadeu, que se encontra com lágrimas nos olhos, envergonhado.


TADEU- Eu sei que você merece mais, eu sei… Dominique. Ninguém nunca vai te amar mais do que eu.
DOMINIQUE- Seguranças! Mãe! Vai embora!


Dominique pega a rosa do chão e em seguida empurra Tadeu até a porta, e o joga para fora, outra vez jogando a rosa em seu rosto.


DOMINIQUE- Sai!


Dominique fecha a porta. Tadeu, arrasado, senta-se na escada, chora e observa a rosa despedaçada no chão.

CENA 05. ESTRADA- ÔNIBUS [INT./DIA]


Maria encontra-se olhando pela janela do ônibus, respira, ainda com a foto de Rodrigo na mão. Uma senhora aproxima-se.


SENHORA- Se incomoda se eu sentar aqui?
MARIA- Não, imagina… Pode sentar, oxe. Sente aí.
SENHORA- O que uma moça tão bonita e vestida de noiva, faz sozinha indo pro Rio?
MARIA- Sai fugida do meu casamento. Vou indo em busca do meu sonho (Sorri). A senhora não acha que vale a pena?
SENHORA- Acha que vai realizar?
MARIA- Oxe, se vou.


Maria sorri. A senhora também.


CENA 06. SÍTIO [INT./DIA]


LETREIRO: PEDRA FORA- Minas Gerais.


Uma discussão acontece. Pessoas falando ao mesmo tempo.


STELLA- Eu falei para você, José! Quem mandou apostar a menina num jogo? A culpa é sua!
MARTA- Ah, nem vem! A sua filha que é uma desavergonhada!
STELLA- Repete! Repete sua cobra miupe, repete se tiver coragem que eu quero torcer tua língua!
ANTÔNIO- O que é que a gente faz, han?
JOSÉ- Mas eu acho Maria, nem que eu tenha que trazê-la pelos cabelos!
STELLA- Pera lá! Que ninguém rela a mão na minha filha!
FERDINANDO- CHEEEEEEEEGAAAAAA!


Ferdinando grita e levanta-se.


FERDINANDO- Eu mesmo hei de buscar Maria.
TODOS- Você?
FERDINANDO- Pois então? Eu não sou noivo? Eu vou buscar minha noiva! Pai compre a passagem, tenho um palpite de onde ela possa ter ido! E eu vou sozinho! Tá decidido.


Todos parecem conformados. Ferdinando sorri.


LETREIRO: RIO DE JANEIRO.


CENA 07. RUA [EXT./NOITE]


Um grande congestionamento acontece. Barulhos de buzina. Bela aproxima-se de um carro. A porta da janela é aberta.


BELA- Vai?


A pessoa se mostra indiferente. Fecha janela e sai. Bela grita no meio da rua.


BELA- Que que é, heim? Pois fique sabendo que eu não vou precisar mais disso! Otário! Ah, vai imbecil.


Bela volta para seu lugar, chateada. E olha as unhas. Em outro ponto da rua, Dominique acabara de chutar o carro.


DOMINIQUE- Ai, que ódio!
LUQUE- Ei, calma!
DOMINIQUE- A gente vai chegar atrasado no show do Rodrigo!
LUQUE- Com esse congestionamento, eu acho que a gente não vai nem chegar!


Uma mulher, baiana, aproxima-se das duas e imediatamente pega a mão de Dominique.


MULHER- Posso ler sua mão florzinha?
DOMINIQUE- (Puxando a mão) Não, obrigado.
MULHER- É de graça, eu não vou cobrar não. Tem medo é?
DOMINIQUE- Não acredito nessas coisas.
MULHER- Pois devia, por que quem está pra chegar hoje vai virar a sua vida de cabeça para baixo. Vai roubar tudo que é teu.
DOMINIQUE- Jura? Vai me dizer também que papai noel existe?
MULHER- Uma mulher. Uma única mulher que vai ser capaz de mexer com a vida de muita gente, inclusive na dela mesma, visse?
DOMINIQUE- Mulher? (Ironiza) E que mulher seria essa?


Ao fundo, atrás da mulher, um ônibus para e desce de dentro Maria, que respira fundo. Um vento forte sopra. A mulher sorri. Bela, mesmo do outro lado, sente um arrepio. Luque faz o sinal da cruz. Dominique fica incomodada.


LUQUE- Ui, credo.
DOMINIQUE- Chega, né? Já acabou o show, agora pode ir embora.
MULHER- Uma mulher.


A mulher se afasta até não ser mais vista.


DOMINIQUE- Mulher. Uma bela charlatona.
LUQUE- Sei lá, ela me pareceu tão convicta.
DOMINIQUE- Ata. Que mulher é essa então?


Dominique roda a chave do carro e ele pega. Os dois comemoram e partem. Enquanto isso, Maria se mostra um pouco perdida e encantada. Ela anda e mais para frente encontra uma roda de dança. Ela sorri, se anima e corre até lá. Enquanto isso a van que Tadeu usa para fazer entregas acaba de parar devido ao congestionamento.


NÁDIA- Valeu heim. Desse jeito, eu não vou chegar nunca na minha faculdade.
TADEU- E eu por acaso mando no trânsito?
NÁDIA- Ei, não vem descontar a raiva do toco que você levou da rainha rica em mim não.
TADEU- Me deixa, Nádia!
NÁDIA- Eu ainda creio que vou viver pra ver você apaixonado por outra pessoa e esquecendo a Dominique. Mas quem seria essa pessoa milagrosa?


Nádia olha pela janela e avista Maria dançando lindamente. Ela rodopia.


Sonoplastia MENINA MOÇA- Michele Leal.


NÁDIA- Isso é que eu chamo de beleza natural, olha só!


Nádia pega sua câmera e filma Maria.


NÁDIA- Não é aquele monte de reboco que a Dominique usa. Isso vai servir para o meu trabalho da facul. Olha cara, olha!


O congestionamento fica mais leve. O carro se vai. Maria continua dançando. Ela para de dançar e ri. Pega as malas.


MARIA- Agora deixa eu ir! Eu tenho um show para ir e um sonho para realizar!


Maria ri e salta, eufórica.


FIM DO CAPÍTULO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário