Temporada de Inverno ❄️⛄️

Pobre Chique - Capítulo 29 (Penúltimo Capítulo)






WEB NOVELA DE: EVERTON BRITO.
ESCRITA POR: EVERTON BRITO E FAILON TEIXEIRA.
COLABORAÇÃO: STHEFANI CLAUDINO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.
DOMINIQUE
TADEU
MARIA
RODRIGO
NÁDIA
FERDINANDO
BEATRIZ
ANTÔNIO
BELLA
DÉSIRÉE
BENÍCIO

PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS
DELEGADO
POLÍCIAIS

ROGEAN 


CAPÍTULO 29 (Penúltimo Capítulo)


CENA 1. APARTAMENTO DE RODRIGO – SALA [INT.DIA]
Dominique adentra o apartamento de Rodrigo, na sala, ela vê fotos de Maria espalhadas por todo canto.
DOMINIQUE- O quê? Qual o motivo dessas fotos?
Dominique pega uma, em que o rosto de Maria na foto, está com um sinal de cruz, com a cor vermelha.
DOMINIQUE- Deus! (Surpresa) Ele não pode estar fazendo isso. Se é o que eu estou pensando. Mas não há outra hipótese.
Ela pega o telefone.
DOMINIQUE- Rodrigo, Rodrigo... Eu posso ter sido louca de amor por vocês, mas não vou deixar você fazer uma loucura dessas.
Ela hesita e pensa um pouco.
DOMINIQUE- Eu bem que podia deixar ele sequestrar ela. Eu não suporto a Maria, e quero que ela se dane! Mas eu não sou essa pessoa ruim. Eu posso impedir que ele faça mal para ela. Eu vou ligar para a polícia.
Ela disca o número da polícia.
DOMINIQUE- (Ao telefone) Alô! Policial? Eu quero fazer uma denúncia. Uma pessoa foi sequestrada. E eu sei quem fez o sequestro. É o Rodrigo Alarisse, cantor, ele quem sequestrou uma jovem de nome Maria. Tudo bem! Eu fico no aguardo de vocês.
Dominique larga o telefone, trêmula.
DOMINIQUE- O Tadeu precisa saber disso... vou ligar para ele.
DOMINIQUE- (Ao telefone) Tadeu! Me ouve. A Maria, sua amiga, ou sei lá o que vocês são, foi sequestrada. O Rodrigo fez o sequestro. Eu já denunciei ele para a polícia. Vão todos atrás dele. Tá. Obrigada!
Dominique desliga o telefone. E corre para o quarto de Rodrigo.

CENA 2. APARTAMENTO DE FERDINANDO - [INT.DIA]
Ferdinando Choroso, e seus pais o confrontam.
BEATRIZ- Eu já sabia que você era Gay. Sempre soube, só que fingi que não sabia.
ANTÔNIO- Você vai ter que nos contar tudo, Ferdinando. Sobre o casamento. Vamos desembucha.
Ferdinando, mesmo aos prantos, conta tudo.
FERDINANDO- Bom, eu e a Maria combinamos de não nos casar. Isto antes do casamento, claro. Eu não gostava dela como mulher e nem para se casar. Minha praia é outra. Ai, no dia do nosso casamento, ela já estava combinada para fugir, antes de um de nós dois dizer sim, em frente para o padre. Isso é tudo o que eu tenho para falar.
BEATRIZ- Por que você não nos contou?
ANTÔNIO- Eu não quero saber de mais nada. Eu tô com um desgosto imenso. Que só eu sei o que estou passando. Você ainda vai me matar.
FERDINANDO- Vocês tem que aceitar. Eu não quero viver a vida toda assim, ter que me esconder de tudo e todos.
ANTÔNIO- Eu vou é fazer uma besteira.
BEATRIZ- Homem, é melhor você falar tudo o que você tem para falar.
FERDINANDO- O que é pai? Eu estou ouvindo.
ANTÔNIO- Eu sempre soube que você era Gay. Eu, com minha cabeça dura, que não quero aceitar de ter um filho Gay.
BEATRIZ- Agora estamos todos entendidos.
FERDINANDO- Eu só queria era que vocês me apoiassem. Eu preciso de vocês. A minha vida não é fácil. Se eu não tivesse conhecido o Carlos, talvez, seria tudo pior.
BEATRIZ- Eu não vou te julgar. Quem sou eu pra julgar meu próprio filho? Sou uma mãe, e que ama seu filho acima de tudo.
ANTÔNIO- Eu também.... Confesso... Que isso não vai ser fácil para mim. Mas eu te aceito, meu filho! Você pode contar comigo. Eu me arrependo de ter feito você sofrer. EU TE AMO, FILHO!
BEATRIZ- Nós te amamos, filho!
Ferdinando abraça os pais, todos emocionados e felizes.

CENA 3. ESTRADA DESERTA – [EXT.DIA]
Rodrigo vai na estrada, no carro, ele dirige em alta velocidade. Maria grita.
MARIA- Socorro! Alguém me tira daqui. Você tá louco, Rodrigo!
RODRIGO- Tô de amor por você. Vamos para um lugar bem longe daqui. Só nós dois, você e eu, juntinho. Que tal?
MARIA- Você é um bandido mesmo. Porque você resolveu de me sequestrar?
RODRIGO- Cala boca. Eu vou parar o carro e atear fogo nele com você dentro.
MARIA- Psicopata!
Umas viaturas de policias começam a seguir o carro de Rodrigo. Ele avista.
RODRIGO- Droga – Ela bate à mão sobre o volante do carro.
MARIA- O que foi?
RODRIGO- A polícia está seguindo a gente. Tenho que me despistar deles.
MARIA- Deus ouviu minhas preces. Alguém vai me libertar.
RODRIGO- Não vou deixar isso barato. Segura firme.
MARIA- Louco, o que vai fazer?
RODDRIGO- Te deixar em uma mata e o carro também. Eu não posso ir preso, isso nunca.
MARIA- Você é um doente. Onde você vai parar?
Rodrigo dá um tapa na cara dela, que cai sobre o banco.
Ele pisa no volante e o carro começar a dá voltas na estrada. Tadeu, em um carro, também segue o carro dele.
TADEU- Eu vou te salvar, Maria. Estou chegando!!
Os policiais atiram contra o carro de Rodrigo, ele atira de volta. Uma perseguição acontece, na estrada deserta.

CENA 4. APARTAMENTO DE DÉSIRÉE – [INT.TARDE]
Désirée recebe uma ligação de Benício.
DÉSIRÉE- (Ao telefone) Benício, onde você está? Aeroporto? você vai fazer uma viagem?
Do outro lado da linha, Benício fala:
BENÍCIO- (Ao telefone) Eu estou indo embora. Vou para fora do país. Cansei de suas humilhações. Com o dinheiro que eu recebi de você, eu vou poder dá uma volta ao mundo. Tchau, Désirée, até nunca mais. Me esquece.
Ele desliga o telefone na cara dela. Ela deixa o cair o telefone, boceja e suspira.
DÉSIRÉE- Eu vou atrás de você, eu não vou deixar o pai do meu filho ir embora!
Désirée pega a bolsa e vai para o aeroporto.

CENA 5. RUA [EXT.TARDE]
Bella anda a rua, pensativa.
BELLA- Não vou encontrar ninguém que goste de mim. Vai Bella, quem manda você ter sido puta. Agora aguente as consequências!
Ela esbarra em um homem lindo, alto, loiro, olhos verdes.
BELLA- Desculpas, Rapaz! Eu não vi você.
ROGEAN- Tudo bem. Posso saber o seu nome?
BELLA- Sim. Eu me chamo Isabela Benedita, mas sou conhecida por Bella.
ROGEAN- Eu sou o Rogean Rodrigo. Estou encantando com sua beleza.
Ele beija a mão de Bella, que sorri.
ROGEAN- Quer dá uma volta comigo? Pra tomar um sorvete?
BELLA- Quero. Eu preciso conhecer gente nova.
ROGEAN- Vai ser um prazer acompanhá-la. Vamos!
Eles se dão as mãos e vão para uma sorveteria.

CENA 6. CLUBE – [INT.TARDE]
Nádia está preocupada com o sumiço de Maria.
NÁDIA- Meu Deus, onde será que ela foi? O que aconteceu com ela? Eu preciso ligar para alguém.
Ela disca o número de celular, que só dá caixa postal.
NÁDIA- Droga, ela não atende o celular. Onde ela pode ter ido? Rodrigo, você fez alguma coisa contra ela? Você me paga!
Nádia sai com muita pressa.

CENA 7. ESTRADA DESERTA [EXT.TARDE]
A perseguição continua. Rodrigo troca tiros com a polícia. Os carros, ambos, estão lado a lado.
RODRIGO- Não vão me pegar, seus otários! A Maria é minha!
MARIA- Eles vão pegar você e você será preso. Você só deve ter ficado louco. Tadeu vai me salvar, o carro dele tá ai também!
RODRIGO- Ele é outro. Que vai me pagar. Eu tenho muito ódio dele.
MARIA- Tadeu já está ficando famoso. E você em Rodrigo.... Será um bandido que vai mofar na cadeira. Acabou tudo, shows, fama, dinheiros, mulheres. Aceita que você perdeu.
Rodrigo tomado pela raiva, pisa fundo, e o carro quase sai fora da estrada.
MARIA- Tá louco. Você quer nos matar?
RODRIGO- Não será uma má ideia. Eu tenho coragem de sobra.
Os policias saem do carro e ficam nas janelas. O delegado fala ao alto falante:
DELEGADO- É melhor se entregar, senhor Rodrigo! A polícia não vai te deixar em paz. Vamos te seguir para onde você for. Entrega a moça, Maria.
Tadeu toma o alto falante e fala:
TADEU- Rodrigo, deixa a Maria em paz. E vem se acertar comigo, seu cafajeste, molenga, bunda mole.
O carro de Rodrigo some, e ele entra no caminho de um penhasco.
MARIA- Para onde você tá me levando?
RODRIGO- Para um penhasco! Vamos nos jogar de lá, os dois, somente à sós.
Maria grita apavorada e Rodrigo tapa a boca dela. No carro, Tadeu se apavora.
TADEU- Ele entrou no caminho do penhasco. Eu tenho que chegar lá.
Ele pisa fundo no volante e entra no mesmo caminho. Os policiais se perdem deles.

CENA 8. PENHASCO [EXT.TARDE]
Vento forte. Os pássaros voam. O Carro de Rodrigo para no alto de um penhasco. Ele desce e tira Maria à força, puxando pelo seu braço. Ele joga ela no chão.
MARIA- O que vai fazer comigo? Vai me matar?
RODRIGO- Não. Eu não vou te matar. Só quero te fazer medo.
MARIA- Eu estou com muito medo de você. Não em mata!
RODRIGO- Cala boca. E levanta-se do chão.
Maria se levanta do chão e Rodrigo leva ela para o topo do Penhasco. Ela olha para baixo e tem vertigem.
RODRIGO- Muito alto, né?
MARIA- Sim.
RODRIGO- Eu posso te empurrar daqui de cima.
MARIA- Eu faço tudo o que você quiser. Eu não posso morrer.
RODRIGO- É melhor rezar muito. Estamos à sós. Quem vai me impedir de cometer esta fatalidade.
Em os dois, no alto do penhasco. E o vento forte que soa no local.

Corta para o fim do capítulo 29....

Nenhum comentário:

Postar um comentário