Castelo de Areia - Capítulo Especial - A máscara de Branca cai, e todos descobrem os seus crimes.


NO CAPÍTULO ANTERIOR:
Branca avisa a Alexandre que a polícia está a sua procura. Ela pede dinheiro a ela que diz que irá depositar após ele deixar São Paulo.
Augusto diz que quer Estela de volta no comando da empresa junto a seus irmãos. Ela aceita.
Laerte leva Estela a empresa.
Alexandre entra em desespero e resolve ir atrás de Branca na empresa para conseguir dinheiro. Ao chegar lá Brana se assusta e manda ele ir embora.
Estela e Laerte chegam à empresa e flagram os dois juntos.
FIQUE AGORA COM O CAPÍTULO DE HOJE:


CENA 01 / PILAR / INTERIOR / SALA PRINCIPAL / DIA.
Branca passa pelo corredor, Alexandre que está de capuz a puxa pelo braço.
BRANCA - O que é isso? O que você faz aqui?
ALEXANDRE - Eu preciso de dinheiro madame. Não dá pra esperar não.
BRANCA - Sai daqui. Vai que alguém te vê.
ALEXANDRE - Eu só saio quando a madame me pagar o que deve.
BRANCA - Tá vem comigo!
Nesse momento Estela e Laerte chegam. Laerte chama Branca.
LAERTE - Branca.
Ela e Alexandre se viram para trás. Branca não sabia que Estela estava lá. Estela se surpreende ao ver Branca e o homem que tentou atirar nelas juntos.
ESTELA - O que esse homem tá fazendo aqui? E junto com você? Vocês se conhecem?
BRANCA - NERVOSA - Não. Porque? Você o conhece?
ESTELA - Deixa de ser sonsa Branca. Até parece que você não se lembra. É esse o homem que apontou a arma para nós no shopping!
BRANCA - FINGINDO SURPRESA - É ele? Meu deus! Eu não o reconheci…
ESTELA - Como não? Você viu o rosto dele na delegacia. Como você não reconheceu?
BRANCA - Eu não reconheci Estela!
Estela começa a ter lembranças do dia do seu acidente.
FLASHBACK:
Estela chega à casa que sua irmã preparou para ela ficar. Alexandre vem em sua direção.
ALEXANDRE - Prazer. Eu sou o responsável por cuidar da propriedade.
ESTELA - O prazer é meu. Qual o seu nome?
ALEXANDRE -  MENTINDO - É Cícero. É... meu nome é Cícero!
FIM DO FLASHBACK.
ESTELA - Cícero?
LAERTE - Quem é Cícero?
ESTELA - APONTA - Ele! Eu me recordei. Agora eu sei de tudo!
LAERTE - Tudo o que?
ESTELA - Esse homem era o caseiro da casa em que eu fiquei em Angra, antes de sofrer o acidente. Inclusive, foi ele quem me levou naquela lancha que explodiu para conhecer o mar. Foi ele, eu me lembrei agora.
LAERTE - OLHANDO BEM PARA ALEXANDRE - É mesmo! Ele é o tal Cícero. Eu me lembro que após o acidente ele nos comunicou e tudo. A Branca se lembra dele, não é?
BRANCA - APROVEITANDO A OPORTUNIDADE PARA SE SAFAR - É mesmo. É isso. Eu o mandei chamar aqui para agradecer pelo que ele fez, e pra te reencontrar. Eu queria lhe fazer uma surpresa minha irmã.
Estela dá um tapa na cara de Branca.
ESTELA - Surpresa? E fazia parte dessa surpresa mandar ele tentar me matar no estacionamento daquele shopping? Fazia Branca?
BRANCA - Calma minha irmã. Foi um mal entendido.
ESTELA - Ah é? E você vai dizer o que agora? Que ele ter apontado a arma na nossa direção foi uma surpresa? Hein Branca?
LAERTE - O que vocês dois planejavam?
Branca fica muda.
BRANCA - Muito bem. Se você não quer se explicar aqui vai se explicar na delegacia. Ligue para o delegado Laerte! Avise a ele que encontramos os bandidos.
LAERTE - Pode deixar!
Laerte liga.
ESTELA - Segura ele aí. Agora eu vou ter uma conversinha com minha irmã em particular!
Estela tranca as portas da empresa.
ESTELA - Você mandou esse homem me matar recentemente e isso é fato. Agora eu quero saber! O meu acidente onde o barco explodiu teve a sua participação?
BRANCA - É claro que não Estela! Muito me admira você duvidar assim de mim. Eu te amo! Eu nunca que iria querer fazer mal a você.
ESTELA - Chega Branca! Chega! Para com esse seu teatrinho, as coisas estão claras e óbvias. Você encomendou aquele acidente para acabar com a minha vida,
é óbvio. Como você pode? minha própria irmã! Agora eu quero saber o motivo. Porque? Hã? Me diz o porque?
BRANCA - Eu não fiz nada disso minha irmã. Não se iluda.
Estela voa pra cima de Branca.
BRANCA - Sai de cima de mim sua cadela sarnenta!
ESTELA - Agora você deu as caras. Agora sim apareceu a verdadeira Branca, a minha irmã assassina e fria.
BRANCA - Cala a boca! Cala a sua boca! Você quer saber tudo? Pois bem. Agora você vai ouvir! Eu sempre quis acabar com a sua vida. Você sempre tinha tudo pra você, o amor de nossos pais, a atenção. Com o tempo eu fui vendo que você não era minha irmã.. Você era minha inimiga! E que eu nunca seria feliz enquanto você estivesse viva. O tempo foi passando e você cada vez mas me irritava, mais você me irritou mesmo quando você começou a namorar com o Rodrigo. Eu não suportei ver você e o homem que eu sou completamente apaixonada juntos. Eu quis te matar com as minhas próprias mãos. E para piorar você estava junto conosco a frente da empresa; e como sempre você mandava, era o centro das atenções. Aquilo me irritou cada vez mas, todos os dias te ver era um tormento. A situação chegou no limite mesmo quando nós tivemos aquela briga na empresa. Eu jurei que iria acabar com você.
FLASHBACK:
Estela entra.
ESTELA - Precisamos conversar!
BRANCA - Diga! O que você quer?
ESTELA - Eu vim lhe perguntar. Pra que aquilo tudo? Porque você fez tanta questão de ir contra o que eu propus na reunião?
BRANCA - Porque não era o certo para a empresa neste momento.
ESTELA - E o que seria certo para a empresa neste momento então? Vamos, me diga!
BRANCA - Chega Estela. Eu não quero brigar com você.
ESTELA - Eu não estou querendo brigar. Só quero esclarecer algumas coisas. Você queria ser a presidente da empresa sozinha? Não é branca?
BRANCA - De onde você tirou isso? Que ideia mais absurda é essa?
ESTELA - Ah Branca, chega! Sem mentiras dessa vez. Você pensa que eu não vejo o seu jeito? Como você age?
BRANCA - Você quer mesmo saber? Eu queria! Queria sim ser a presidente da empresa. Eu sim sei como colocar essa empresa nos eixos. Ao contrário de você que não passa de uma tola idealista. Você quer o que com essas suas medidas de "proteção"? Ajudar pobre? Acabar de falir com a empresa? Porque tudo o que a empresa menos precisa nesse momento é de mais problemas. Ela precisa de solução! Eu sim saberia dar ás soluções necessárias a essa empresa!
ESTELA - Que bom que a sua máscara caiu! Agora eu estou vendo a egoísta que é você minha irmã.
BRANCA - Egoísta? Eu? - RISOS - Para de ser idiota menina. Primeiro aprenda a ser mulher, depois venha falar comigo!
ESTELA - Que tom é esse comigo?
BRANCA - Que tom é esse? Esse é o tom de alguém que não suporta mais sua cara de pau. Até quando você vai ser fingir de boazinha para roubar tudo o que é meu?
ESTELA - Chega Branca. Você já está delirando.
BRANCA - Não sua cadela! Eu nem comecei.
Estela dé um tapa na cara de Branca.
ESTELA - Olha lá como você fala comigo. Me respeita! Por agora essa conversa fica encerrada, mas depois você vai me ouvir. Ah se vai...
Ela sai da sala.
BRANCA - Você vai pagar caro por esse tapa. Eu vou acabar com a sua vida. Você vai ver só... O inferno será pouco para você!
FIM DO FLASHBACK.
BRANCA - E então eu tive a idéia de te mandar para Angra, com desculpa de ser um presente de reconciliação. Eu combinei tudo como o Alexandre. E esse o nome dele! Aquele barco já foi pronto para te explodir junto com ele.
Depois que você morreu eu consegui me casar com o Rodrigo e ser feliz. Mais você reapareceu, e mas uma vez estragou tudo. Não é? Pois então. Eu não poderia deixar você aqui viva atrapalhando a minha felicidade, então eu mandei te matar sim. Aquele tiro que acertou a porta do shopping era pra você. Pra você sua vadia!
Estela segura Branca pelos braços e bate nela descontando toda a sua raiva.
ESTELA - Você é louca! Louca! Sabe o que eu sinto por você? Eu sinto pena! Pena! Porque pra uma mulher chegar a esse ponto que você chegou só me resta sentir pena mesmo. Mas fica tranquila, a vida vai te ensinar a ser mulher. Por bem, ou por mal.
LAERTE - Eu gravei tudo o que ela disse!
BRANCA - Vai me trair Laerte? Eu sou sua irmã!
LAERTE - Não Branca. Você não é minha irmã! Você é um monstro! E pessoas que faz o que você fez merecem ir para a cadeia!
ESTELA - Assim que o delegado chegar eles vão começar a pagar pelo que fizeram!

CONTINUA...

Nenhum comentário:

Postar um comentário