Castelo de Areia - Capítulo 34.


NO CAPÍTULO ANTERIOR:
Custódio descobre que Carmela fez dívidas e que pegou dinheiro emprestado de Augusto. Ele briga com ela e o casamento deles entra em crise.
Júlia revira seu quarto em busca de dinheiro para soltar sua mãe da prisão.
O delegado Fabrício diz que não há fiança para o tipo de crime que Branca cometeu, já que há provas em que ela mesmo confessa tudo que fez. Júlia se desespera, ela aconselha ela a contratar um advogado.
Branca é transferida para um presídio.
FIQUE AGORA COM O CAPÍTULO DE HOJE:


CENA 01 / PRESÍDIO FEMININO / INTERIOR / CORREDOR / DIA.
Branca chega ao presídio. Os policiais vão levando ela à sua cela. Durante a sua passagem às pressas fazem muito barulho. Ela chega a cela que irá ficar, a presa Zélia a recebe.
ZÉLIA - Olha só mulherada, tem carne nova no pedaço.
MARILDA - Chegou a nossa nova mulherzinha (risos).
BRANCA - Me tira daqui!
A porta da cela se fecha.
POLÍCIAL - Meninas, sejam gentis com ela.
ZÉLIA - Pode deixar!
BRANCA - GRITA - Me tira daquiii!
ZÉLIA - Cala a boca! Se quiser ficar viva aqui eu acho bom calar essa boca.
BRANCA - Quem você pensa que é pra falar assim comigo?
ZÉLIA - PUXA BRANCA - Sou a dona dessa cela aqui. Se eu fosse você eu via lá como falava comigo, eu posso te matar se eu quiser.
BRANCA - Eu sou rica. Eu não vou ficar aqui por muito tempo.
ZÉLIA - O tempo que você vai ou não ficar aqui não me interessa. O que me interessa é que você me respeite no tempo que você ficar aqui.
BRANCA - Quem você pensa que é para exigir respeito de Branca Bitencourt? Você não passa de um presa ralezeira. Fiquei quietinha na sua e me deixa em paz.
Zélia dá um soco na cara de Branca, a câmera dá close no sangue voando.
ZÉLIA - Essa aí vai dar trabalho…
ANOITECE.
CENA 02 / MANSÃO BITENCOURT / INTERIOR / QUARTO DE JÚLIA / NOITE.
FLÁVIA - Júlia?
JÚLIA - Oi prima.
FLÁVIA - Eu vim como é que você tá.
JÚLIA - Eu tô péssima!
FLÁVIA - Eu sei minha linda, tudo isso que aconteceu com a sua mãe é difícil né?
JÚLIA - Eu não entendo, porque estão inventando essas mentiras contra a minha mãe? O que foi que ela fez?
FLÁVIA - Ju, eu sei que é difícil de acreditar, afinal ela é sua mãe. Mas você não ouviu a gravação onde ela confessa?
JÚLIA - Eu não sei como eles fizeram, mais aquilo tudo é mentira. A minha mãe jamais faria aquilo. Eu sei!
FLÁVIA - Você não pode querer tapar o sol com a peneira prima.
JÚLIA - Até você? Sai daqui!
FLÁVIA - Fala comigo. Eu vim te ajudar!
JÚLIA - Eu não preciso da sua ajuda. Você veio rir de mim. Não é? Vai embora! Me deixa em paz!
Ela empurra Flávia para fora.
AMANHECE.
CENA 03 / PRESÍDIO FEMININO / SALA DE VISITA / INTERIOR / DIA.
Júlia vai visitar sua mãe junto ao advogado que contratou para defendê-la.
JÚLIA - Mãe, como é que você tá?
BRANCA - Péssima minha querida! Esse lugar é um inferno, as presas me agrediram. Eu tô com muito medo, eu não sei nem se vou conseguir continuar viva.
JÚLIA - Isso é um absurdo!
BRANCA - Me tira daqui!
JÚLIA - Eu vou te tirar! Esse aqui é o doutor Moisés, o advogado que irá te defender.
MOISÉS - Prazer!
BRANCA - Minha filha, e a fiança? Conseguiu pagar?
JÚLIA - O delegado disse que no seu caso não há fiança. Você terá que ficar presa até o julgamento.
BRANCA - Julgamento?
JÚLIA - Sim, você irá a julgamento. A única maneira de te tirar desse lugar é com uma boa defesa. Por isso eu contratei o doutor Moisés.
MOISÉS - Eu preciso traçar a sua estratégia de defesa dona Branca.
BRANCA - Sim.
MOISÉS - A senhora se considera culpada ou inocente?
BRANCA - Inocente! Eu fui vítima de uma armação.
JÚLIA - É sim doutor!
MOISÉS - Entendo! Bom, depois eu irei pedir para falar com a senhora à sós. Aproveite e fique com sua filha.
CENA 04 / PRESÍDIO MASCULINO / INTERIOR / CORREDOR / DIA.
Alexandre é transferido para um presídio. Ao chegar à cela ele é surpreendido por velhos inimigos.
PRESO - Olha só, quem é vivo sempre aparece.
CARCEREIRO - Já vi que tem amigos.
ALEXANDRE - Me tira daqui! Eles vão me matar!
CARCEREIRO - Xi, quietinho.
Ele coloca Alexandre na cela.
PRESO - Sabe? Eu estava mesmo esperando pelo dia em que eu te reencontraria. Agora eu vou te dar tudo o que você merece por ter me entregado há trinta anos atrás.
O bandido pega uma faca escondido no fundo da cela e esfaqueia Alexandre.
PRESO - Morre desgraçado!
O corredor fica empolvorado. Os carcereiros chegam e se deparam com o corpo de Alexandre estirado no chão.
CENA 05 / PRESÍDIO FEMININO / SALA DE VISITAS / INTERIOR / DIA.
MOISÉS - Agora que sua filha já foi embora a senhora já pode me responder a verdade. Você é ou não culpada pelos crimes que é acusada?
CONTINUA...

Nenhum comentário:

Postar um comentário