Temporada de Inverno ❄️⛄️

Castelo de Areia - Capítulo 12.


NO CAPÍTULO ANTERIOR:
Estela lembra que faz vinte anos que perdeu a memória, e o fato de não tê-la recuperado a deixa muito preocupada. A situação da empresa não anda nada bem, Branca não quer que Augusto saiba.
Carmela se surpreende após Flávia dizer que foi a uma entrevista de emprego.
FIQUE AGORA COM O CAPÍTULO DE HOJE:

CENA 01 / APARTAMENTO DE CARMELA E CUSTÓDIO / INTERIOR / SALA / DIA.
FLÁVIA - A  senhora não quer que eu trabalhe? Porque? Não é a senhora mesmo que vive reclamando da falta de dinheiro?
CARMELA - Minha filha, você é uma Bitencourt. Você tem um sobrenome a zelar.
O que vão pensar?
FLÁVIA - Oi? Não, eu não acredito que em pleno 2018 eu tenha que ouvir isso.
CUSTÓDIO - Se ela quer trabalhar deixe ela minha esposa.
CARMELA - Ah não vai mesmo. Eu não vou permitir!
FLÁVIA - E a senhora acha que as contas desta casa vão se pagar como? Sozinhas?
CARMELA - Eu e seu pai iríamos agora mesmo na empresa resolver essa situação. Nós iríamos pedir um aumento na nossa pensão mensal.
FLÁVIA - Olha mamãe, eu sei muito bem que o papai é contra nós pegarmos essa pensão, e eu também sou. Nós temos que viver por nossa própria conta. Chega de viver às custas dos outros.
CARMELA - Nós não vivemos às custa de ninguém. Seu pai tem direito a essa pensão, nós só estamos recebendo o que é nosso por direito.
CUSTÓDIO - Você sabe que eu nunca quis esse dinheiro, foi você que ficou me azucrinando.
CARMELA - Ah Custódio, se fosse por você nós estaríamos vivendo debaixo de um viaduto, eu não entendo essa mania de pobreza de vocês.
FLÁVIA - Já está decidido mamãe, eu vou trabalhar, queira você ou não.
CARMELA - Isso é o que nós vamos ver.
ANGRA DOS REIS - RJ.
CENA 02 / CASA DE RAMIRO / INTERIOR / COZINHA / DIA.
Estela/Maria e Helena conversam.
HELENA - O Ramiro me disse que você estava preocupada com o seu passado.
ESTELA/MARIA - Na verdade eu ainda estou. Sebe, é angustiante você querer saber da sua própria vida e algo fica te bloqueando. Eu não quero que a senhora me entenda mal, eu sou grata a todos esses anos que vocês cuidaram de mim. Mas é minha vida, eu tenho que saber quem eu sou.
HELENA - Eu te entendo minha filha, eu sei a sua dor. Eu também sofro por você, ninguém merece tudo o que você tem passado.
ESTELA/MARIA - O que eu posso fazer? Nada! Infelizmente não há nada pra se fazer.
HELENA - Você pode rezar, reze com todas as suas forças para que essa situação mude, e para que você redescubra o seu eu.
ESTELA/MARIA - Reza comigo dona Helena.
HELENA - É claro!
As duas rezam, Estela sente um arrepio.
SÃO PAULO - SP.
CENA 03 / MANSÃO BITENCOURT / INTERIOR / SALA / DIA.
FLÁVIA - Ah prima, o clima lá em casa tá tenso. Minha mãe quer me impedir de trabalhar a qualquer custo.
JÚLIA - E você quer mesmo trabalhar?
FLÁVIA - Claro, eu quero minha independência, mas também ajudar meus pais.
JÚLIA - Pede um emprego na empresa.
FLÁVIA - Eu quero trabalhar em um lugar onde eu entre por méritos próprios, não por ter parentesco.
JÚLIA - Eu sei, mas nessas horas de aperto qualquer emprego é válido.
FLÁVIA - Eu vou pensar…
ANOITECE.
CENA 04 / MANSÃO BITENCOURT / QUARTO DE AUGUSTO / INTERIOR / NOITE.
Augusto dorme, em seu sonho ele se encontra com Estela em uma praia.
AUGUSTO - Minha filha, o que você está fazendo aqui?
ESTELA - Pai, eu vim te pedir ajuda. Me tira daqui!
AUGUSTO - Você morreu minha filha.
ESTELA - Eu não morri. Vem, vou te mostrar.
Esta é uma obra de livre criação artística.
E sem nenhum compromisso com a realidade.
Todos os atores citados são fictícios.
CONTINUA…
ATÉ AMANHÃ!

Nenhum comentário:

Postar um comentário